Conexão B – BH, Brasília, Belém

No verão de 2001, enquanto ainda éramos um bando de moleques universitários não formados, eu e três amigos nos juntamos para viajar a Brasília, onde participaríamos de um encontro de estudantes de comunicação. O grupo era composto por Flávio, Marcos, Rodrigo e eu, sendo que um quarto membro, a Aline, se juntou a nós quando chegamos em Bsb.

Oficialmente, a viagem era uma chance de participar de um ENECOM. Eu e Marcos não tínhamos participado do encontro anterior, que aconteceu em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, e passamos um ano ouvindo histórias maravilhosas a respeito de como aquela viagem tinha sido espetacular para todos que foram conhecer o frio do sul do país. Mas a verdade era que o ENECOM era um pretexto. O que queríamos era conhecer Brasília! Rodrigo é um nativo e ofereceu a casa dos seus pais para nosso pouso. Isso significava um conforto infinitamente maior do que qualquer tipo de alojamento que conseguíssemos na faculdade onde o encontro seria realizado, além de proporcionar uma economia considerável em comida e transporte. Eu e Marcos revesaríamos o volante da Belina que o pai do Rodrigo nos emprestaria e poderíamos rodar pela capital sem compromissos com horários do transporte público. Além de conhecermos a família do Rodrigo e boa parte de Bsb, Marcos à época namorava com Aline, outra nativa, o que tornava a viagem ainda mais providencial.

Como planejamos que fosse, aconteceu. Saíamos todos os dias para conhecer “a capital do meu país”, visitando os pontos turísticos, andando pelo planalto central e se encantando com as coisas que são só dali.

(Se vocês me permitem um pequeno parêntese, aqui vai um fato. Os primeiros dias em Brasília foram surreais. Bsb é um lugar diferente de qualquer outra coisa no mundo e, se você pretende visitar a cidade, eu recomendo uma estadia mínima de sete dias, já que os primeiros três ou quatro dias serão gastos se acostumando com a sensação de ter sido abduzido para um lugar que não deveria existir, mas que está lá).

De noite, após um dia inteiro de andanças, tornávamos a nos amontoar na Belina azul e íamos para a Universidade Católica de Brasília, que fica em Taguatinga, para festas, bebedeiras, péssima música e conversa fiada com gente de outras partes do país.

Eu e Marcos, numa dessas festas, (na festa à fantasia, na verdade) conhecemos um grupo de meninas do Pará. Todas muito simpáticas, elas disseram que estavam se divertindo, mas que, ao mesmo tempo, estavam um tanto desanimadas porque uma das meninas do grupo não pode ir à festa daquela noite, alegando cólicas ou dor de cabeça. Ela estava melhor na noite seguinte, no entanto, e foi aí que eu conheci Heloísa.

Heloísa era pouco mais que uma menina, com 19 anos incompletos e eu, do auge dos meus 21, não era muito mais do que um menino que achava que sabia de tudo. Não lembro de detalhes a respeito de como nos conhecemos (lembre-se as noites eram cheias de bebedeiras, como já disse), mas ficamos pela primeira vez no dia que nos vimos e continuamos a nos beijar todos os dias seguintes.

Nos despedimos (“despedimo-nos” é tão feio…) às quatro da manhã do último dia do encontro, com endereços de e-mails devidamente trocados e promessas de um dia nos reencontrarmos.

E-mails foram trocados de fato, como prometemos um ao outro, mas a intensidade desses diminuiu gradativamente ao longo dos meses até que acabou. Eu ainda recebia uma mensagem de vez em quando, vinda do norte, com palavras cheias de carinho e, às vezes, eu retornava, mas era raro. Dois anos depois, em 2003, eu comecei a namorar e perdi contato com Heloísa de vez.

Oito anos se passaram desde que nos vimos pela primeira vez.

Há poucos dias, graças às redes sociais internéticas, eu e Heloísa nos reencontramos. Não fisicamente, como havíamos nos prometido antes, mas, de repente, depois de anos e anos sem ouvir falar um do outro, nós podíamos trocar ideias em tempo real e nos interarmos a respeito de nossas vidas. Nessa hora eu já estava solteiro há quase um ano e ela estava namorando há mais de dois. Um namorado que, em suas palavras, era “maravilhoso”, mas isso não impediu que conversássemos. E conversar a gente fez. Todos os dias. Às vezes três vezes ao dia, às vezes madrugada adentro, às vezes pelo telefone, às vezes no meio da tarde, mas sempre conversávamos.

Não demorou para que carinho se tornasse insinuações e para que insinuações se tornassem flertes e para que flertes se tornassem indiretas, quase sempre “indiretas” sem o prefixo. Os oito anos longe nos dava material suficiente para contarmos uma vida de novidades um para o outro e, ao mesmo tempo, como acontece com pessoas especiais, era como se nunca tivéssemos deixado de nos falar.

Eu gostaria que essa história terminasse aqui, com uma frase do tipo: “e eles conversaram um com outro pela internet para sempre”, mas não é assim que termina.

Meu namoro, esse que eu disse antes que já acabou, foi todo à distância. Apesar dela se mudar com alguma frequência, sempre moramos a uma distância tolerável um do outro. E como eu a amava profundamente, viajar para vê-la nunca foi uma dificuldade. Pelo contrário, sempre foi um prazer enorme. Então eu conheço bem as vantagens e desvantagens de se namorar à distância e é por isso que posso dizer, com conhecimento de causa, que não quero fazer isso de novo. Não quero nunca mais ter que ler numa janela de MSN a frase “meus planos são terminar com vc na próxima vez que nos encontrarmos“. Não quero brigar pela internet, não quero estar longe quando eu tiver uma novidade incrível para contar ou quando ela for promovida. Não quero ser incapaz de consolá-la quando ela precisar de consolo, nem quero chorar sozinho quando eu precisar chorar.

Mas ninguém pensa nessa parte do relacionamento quando está à distância. Não e não. A distância garante a fantasia, o sonho, a esperança, a promessa. Quem não está aqui e só chega através de palavras, na maioria das vezes, bem escolhidas, representa aquilo que pode ser. E o poder do “pode ser” é infinito! Muito maior do que qualquer poder que o “maravilhoso” ao lado use. Porque o “pode ser” não é concreto, não é real, faz parte do reino da faz-de-conta, do mundo mágico que criamos para que aquela pessoa do outro lado da tela seja perfeita.

Eu não sou perfeito e Heloísa não é perfeita. Somos perfeitos um para o outro? Talvez. Mas ela não está aqui e eu não estou em Belém do Pará. É lindo pensar que podemos largar tudo e todos que nos cercam para vivermos felizes para sempre em Brasília, por exemplo, mas isso não vai acontecer. E eu não quero mais namorar longe. Como já disse, passei mais de cinco anos fazendo isso e foi tempo suficiente para entender que prefiro o tédio de ser o maravilhoso ao lado do que ser a promessa ao longe.

Por isso, na última sexta-feira, de coração partido, eu disse para Heloísa que iria “sair da frente dela um pouco”. Apaguei alguns recados que ela tinha me deixado na tal rede social onde nos encontramos, não ligo mais o MSN e estou me concentrando em trabalhos que preciso terminar há tempos e que já estão se arrastando mais do que deveriam.

Não sei quanto tempo essa “sumida” vai durar. Não sei se estou perdendo a chance de “conviver” com a mulher da minha vida ou qualquer coisa desse tipo. Mas se algum dia eu ler “vou terminar com vc” numa janela de MSN de novo, eu entro num frenesi psicótico e vou andando daqui até Belém, parando só para matar prostitutas com uma colher. Por assim dizer…

Concentrar tem sido difícil. Eu penso muito nela naquele período do dia que vai da hora em que acordo até a hora que vou dormir, mas consegui me manter firme o suficiente para terminar esse texto. Meu coração ainda dói e acho que vai continuar doendo por algum tempo, afinal, eu também estou dando um tempo em uma promessa. Mas sei que as coisas vão melhorar à medida que formos caminhando.

Se trabalharmos com o coração, talvez esse caminhar seja em direção um do outro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s